Mulher é baleada por ex-marido e finge estar morta para sobreviver: 'Parei de respirar'

25/08/2019 07:14 Policial
Reprodução
Reprodução

Uma mulher de 60 anos teve que se fingir de morta para sobreviver a uma tentativa de feminicídio na madrugada da última quinta-feira (22). O crime ocorreu na ERS-020, em Taquara, a 75 km de Porto Alegre. Logo após dar entrada no hospital, ela contou aos policiais que o autor dos disparos foi seu ex-marido.

"Foi meu ex-marido que atirou em mim. Eu fiz de conta que eu morri. Parei de respirar. Só respirei pela boca, bem fraquinho". A declaração foi gravada pelos policiais. Perguntada se o suspeito era o homem que a acompanhava, ela confirmou e deu o nome do ex aos policiais.

O homem, de 61 anos, foi preso em flagrante por suspeita de tentar matar a esposa e simular um assalto. Segundo a delegada que investiga o caso, o casal voltava de Porto Alegre em direção a Taquara, quando o homem parou o carro, na ERS-020, na ponte sobre o Rio dos Sinos, alegando problemas mecânicos.

Ele desceu, foi até a janela onde estava a mulher e disparou contra ela através do vidro. Usou uma luva para isso, segundo a vítima. De acordo com a delegada, foram entre seis e sete disparos, atingindo a vítima na perna, no ombro e no peito.

"Depois ele tentou me asfixiar por várias vezes. Eu pedi para ele me salvar e me trazer pro hospital, pelos nossos filhos. Ele, inclusive, olhou meu pulso. Daí foi quando ele me trouxe aqui para o hospital, porque achou que eu estava morta. Foi ele, eu vi. Ele é um psicopata".

Assalto simulado

O ex-marido informou aos policiais que havia sofrido uma tentativa de assalto, que os criminosos teriam disparado contra o carro e em seguida conseguiram fugir. O homem não quis prestar depoimento.

A delegada informou ainda que veículo é novo e de baixa quilometragem e assim dificilmente daria problema. A arma ainda não tinha sido encontrada até a noite de quinta, e o carro foi encaminhado para perícia.

De acordo com a mulher, no dia 4 de agosto ela registrou um boletim de ocorrência na delegacia sobre um suposto arrombamento da casa onde mora. "Quando eu cheguei em casa estava tudo revirado. Só faltava a arma que era dele. Eu fiz ocorrência e ele estava com a arma. Ele botou cerca elétrica em toda a casa. Ninguém entrou. Foi ele", contou a mulher à polícia.

De acordo com a delegada, o casal se separou em 2001, mas estava reatando o relacionamento havia um mês.

Fonte: DAS AGÊNCIAS / Correio do Estado

COMENTÁRIOS

Usando sua conta do Facebook para comentar, você estará sujeito aos termos de uso e politicas de privacidade do Facebook. Seu nome no Facebook, Foto e outras informações pessoais que você deixou como públicas, irão aparecer no seu comentário e poderão ser usadas nas plataformas do Itaporã News.