Ex-superintendente da Conab é afastado por suspeita de fraude

PF não divulgou nome dos investigados em cinco municípios, relacionados a programa no âmbito do Fome Zero
09/10/2019 12:37 Policial
PF cumpre um dos cinco mandados de busca e apreensão na Operação Pesticida (Foto: Direto das Ruas)
PF cumpre um dos cinco mandados de busca e apreensão na Operação Pesticida (Foto: Direto das Ruas)

Um ex-superintendente da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) de Campo Grande que atualmente exercia cargo comissionado foi afastado da função, por determinação judicial, em decorrência da investigação que apura fraude no Programa Fome Zero.

A PF (Polícia Federal), que desencadeou a Operação Pesticida hoje não divulgou o valor desviado, apenas informou que a investigação abrange repasse de R$ 3,133 milhões, feito de 2011 a 2016.

O afastamento foi determinado por conta da Operação Pesticida, deflagrada hoje pela PF e CGU (Controladoria Geral da União), com cumprimento de cinco mandados de busca e apreensão em Campo Grande, Terenos, Bodoquena, Jardim, Caracol e Corumbá.

Na Capita, os policiais federais apreenderam documentos na sede da Conab, na Avenida Mato Grosso. Não há mandados de prisão nesta operação.

No total, nove servidores foram afastados das funções, sendo oito de Campo Grande e um de Corumbá. Deste total, apenas o ex-superintendente, que não teve o nome divulgado, não poderá trabalhar na Conab; os outros apenas não executarão funções no programa em investigação, mas poderão continuar trabalhando na companhia.

Sobre o ex-superintendente, há relato de funcionário da Conab que levou suas suspeitas sobre possíveis irregularidades. O colega teria apresentado justificativa pouco plausível. “As suspeitas de fraude eram muito evidentes”, disse.

Fases – Iuri Oliveira disse que a investigação começou em 2014, centrada na PAA (Programa de Aquisição de Alimentos), realizada no âmbito do programa federal Fome Zero.

No PAA, o governo federal repassava recursos para Conab, que fazia o pagamento das cooperativas; esta, por sua vez, repassava ao agricultor familiar cadastrado para entregar sua produção que seria enviada às famílias carentes atendidas pelo programa.

Em todas essas fases, a Conab era responsável por relatório de fiscalização, como a capacidade de produção de cada agricultor e tipos de alimentos.

“A investigação apontou de maneira clara que as fraudes não teriam condições de acontecer sem que fiscais e gestores da Conab soubessem ou tivessem conivência”, disse Oliveira.

O delegado explicou que há indícios de irregularidades em todas as etapas. Como exemplo, há casos de produtor que não entregou a quantidade declarada, ou que nem sabia que era cadastrado pela cooperativa para participar do programa. Esse desconhecimento pode indicar que nem todos podem ter agido de má-fé e também estariam sendo usados.

Há casos da cooperativa que informou ter recebido 100 quilos de alimentos, mas foram apenas 20 quilos. Sem citar valores, o delegado disse que o desvio de recursos em entidade investigada em Jardim representa 45,12% do repassado.

Oliveira exemplificou, ainda, que há casos de desvio de 85,45% do total de alimentos produzidos. O restante foi determinado como “alimento fantasma”.

Em Corumbá, o esquema funcionava dentro de secretaria da prefeitura. A fraude funcionava para atender grupo de produtores. Há caso de um que fornecia os alimentos e usava outros como laranjas para receber os pagamentos destinados.

A investigação continua para apurar a participação de integrantes de quatro cooperativas, associações e a entidade de Corumbá.

Fonte: Silvia Frias e Clayton Neves / Campo Grandes News

COMENTÁRIOS

Usando sua conta do Facebook para comentar, você estará sujeito aos termos de uso e politicas de privacidade do Facebook. Seu nome no Facebook, Foto e outras informações pessoais que você deixou como públicas, irão aparecer no seu comentário e poderão ser usadas nas plataformas do Itaporã News.