Após tentativa de golpe, Incra alerta que serviços são gratuitos

Somente o Incra pode regularizar situação dos assentados
13/01/2020 17:12 Policial
Antônio de Castro Vieira, superintendente do Incra, ressalta que serviços do órgão são gratuitos. (Leonardo de França | Midiamax)
Antônio de Castro Vieira, superintendente do Incra, ressalta que serviços do órgão são gratuitos. (Leonardo de França | Midiamax)

O Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) emitiu uma nota de esclarecimento sobre uma tentativa de golpe na emissão de Título Definitivo de Lotes. Nos primeiros dias de janeiro os moradores do assentamento Barra Bonita, em Sidrolândia, a 70 quilômetros de Campo Grande, foram vítimas de um grupo de pelo menos três pessoas que se diziam servidores da autarquia.

De acordo com o superintendente Regional, Antônio de Castro Vieira, no começo do mês três pessoas estiveram no assentamento e se apresentaram como servidores do Incra. Na ocasião eles ofereceram aos assentados a regularização dos lotes pelo custo de R$ 2,5 mil.

A metade do valor deveria ser paga no ato da assinatura dos documentos, e o restante poderia ser quitado 6 meses depois. “Eles tiveram contato com uma das moradoras do local e abusaram da boa-fé dela. Ela então reuniu os outros assentados que precisavam de regularização, acreditando no que eles disseram, preparou uma mesa, serviu eles e eles ofereciam a prestação de serviço”, disse Antônio.

“Eles chegaram a dizer que tinham um escritório aqui em Campo Grande, que pode ser até verdade inclusive, e que estaria regularizando os lotes no valor de R$ 2,5 mil, sendo R$ 1.250 de entrada e o restante em até seis meses poderiam ser pagos”, explicou.

A denúncia chegou ao órgão, um dia depois da tentativa de golpe e, então o superintendente foi até o assentamento levar esclarecimento aos moradores.

Juiz absolve Nelsinho e ex-secretários em ação de improbidade por bloqueio no Banco Rural 

Após alterações no Fies, redação terá mais peso na prova do Enem

Negado habeas corpus a suspeita de participar do assassinato de servidora

Carreta que transportava caroços de algodão tomba na MS-276

“São 263 famílias, assim que recebemos a denúncia articulamos junto com a liderança uma reunião e estivemos lá para prestar os esclarecimentos. Foram 226 pessoas presentes, e nós queremos coibir isso, não podemos deixar esse tipo de coisa acontecer, proteger o assentado é nossa responsabilidade”, destacou o superintendente.

O superintendente esclarece, entre os outros pontos, que nenhum serviço do órgão é cobrado e que qualquer suspeita deve ser denunciada. “Os canais de denúncia estão abertos, seja o e-mail da ouvidoria do Incra, ou até mesmo nas polícias Civil ou Federal, qualquer suspeita precisa ser denunciada, através disso nós conseguimos o fato consegue ser investigado e a prática coibida.”, explicou.

Entre os alertas estão, além do esclarecimento da gratuidade, o fato de que somente o Incra pode regularizar lotes, ou seja, nenhuma empresa privada, associação de assentados, líder comunitário, pessoa ou entidade pode realizar o serviço.

“Somente o Incra pode emitir os documentos para a regularização e esse serviço é gratuito, então mesmo que seja um servidor identificado, o assentado tem que se atentar caso haja cobrança de algum valor”, disse.

Antônio de Castro, ressalta que todo servidor do Incra deve estar devidamente identificado e os moradores podem pedir a comprovação da identificação. “Eu quando vou até os assentamentos inclusive, levo comigo a portaria da minha nomeação, nós precisamos nos identificar e o assentado pode cobrar essa identificação”, afirmou.

Vale lembrar que, a  Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural), órgão vinculado a Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), tem um Termo de Cooperação com o Incra para ações junto aos produtores assentados. “A Agraer é um órgão parceiro, mas só realiza vistoria, não faz emissão de título. A emissão dos títulos é apena o Incra que faz e de forma gratuita”, concluiu.

O e-mail da ouvidoria para denúncias ao Incra é o [email protected] .

Fonte: Ana Paula Chuva / Midiamax

COMENTÁRIOS

Usando sua conta do Facebook para comentar, você estará sujeito aos termos de uso e politicas de privacidade do Facebook. Seu nome no Facebook, Foto e outras informações pessoais que você deixou como públicas, irão aparecer no seu comentário e poderão ser usadas nas plataformas do Itaporã News.