A idade da plantação de banana e as práticas de manejo afetam as emissões de gases de efeito estufa

| ITAPORANEWS.COM


Foto: Reginaldo Barboza (Unesp) Reginaldo Barboza (Unesp) - Vista de bananal com mais de 30 anos e disposição das câmaras de coleta de gás Vista da plantação de banana com mais de 30 anos e layout das câmaras de coleta de gás
publicidade

Por Embrapa Meio Ambiente

A idade e as práticas de manejo são fatores que influenciaram as emissões de gases de efeito estufa em solos de bananeiras. A descoberta resulta de um estudo desenvolvido por cientistas da Universidade Estadual Paulista ( Unesp ), da Universidade Federal de São Carlos ( UFSCar ) e da Embrapa Meio Ambiente (SP) publicado no artigo  CO 2 , CH 4 e N 2 O emissões após fertilizante aplicação em plantações de banana localizadas na Mata Atlântica brasileira .

O trabalho foi iniciado em 2018 na cidade de Registro, região de Mata Atlântica no estado de São Paulo, e teve como objetivo descobrir se as emissões de gases de efeito estufa em um sistema de manejo convencional de banana seriam maiores do que em solos de fragmentos florestais remanescentes. Os pesquisadores descobriram que as plantações apresentam maiores emissões de óxido nitroso e menor capacidade de absorção de metano do que os remanescentes florestais. Eles também provaram que a extensão desses efeitos é influenciada pela idade do bananal, pela adição de fertilizantes nitrogenados e pela estação do ano.

“Esta descoberta, nas condições em que os estudos foram conduzidos, foi relatada pela primeira vez”, afirma o professor responsável da Unesp, Reginaldo Barboza. “As atuais práticas de manejo adotadas nas plantações de banana podem resultar em impactos negativos na sustentabilidade ambiental, principalmente na região do Vale do Ribeira, que possui as últimas áreas intocadas do bioma Mata Atlântica. Consequentemente, ressaltamos que a adoção de práticas conservacionistas é de extrema importância. Esses dados podem informar inventários nacionais de emissões e remoções antrópicas de gases de efeito estufa em regiões tropicais que costumam fazer parte de relatórios internacionais', ressalta.

Muitos estudos têm demonstrado que o manejo convencional do solo tem efeitos nas emissões de gases de efeito estufa (GEE) para várias culturas economicamente importantes. No entanto, há poucas pesquisas sobre áreas com frutas tropicais convencionais.

“Há falta de medições de gases de efeito estufa dos pomares de frutas, o que pode resultar em vieses nas estimativas de emissões globais se não forem baseadas em medições representativas. As bananas se enquadram nessa categoria e, embora muito se saiba sobre a fisiologia exigências, melhores cultivares e manejo integrado de pragas e doenças, pouco se sabe sobre os impactos ambientais do cultivo convencional de banana”, afirma a pesquisadora da Embrapa Paula Packer.

Os dados mostraram que as plantações jovens podem ter uma capacidade de absorção de metano do solo fortemente reduzida em comparação com os remanescentes florestais, enquanto as plantações estabelecidas recuperam parcialmente essa capacidade”, relata Packer .

Os tratamentos que receberam sulfato de amônio e uréia como fonte de adubação, em diferentes fases do plantio, apresentaram alterações em suas emissões de dióxido de carbono, metano e nitrogênio no solo, e menor potencial de absorção de metano foi observado nas plantações de banana jovens e estabelecidas do que nos remanescentes florestais. As emissões de óxido nitroso foram maiores nas plantações de banana jovens e estabelecidas do que nos remanescentes florestais. O estudo também verificou que, durante a estação chuvosa, os solos jovens de bananais fertilizados com uréia podem emitir mais gases de efeito estufa.

Recomendações

Como esperado, o experimento mostrou que as florestas remanescentes apresentam menores emissões de óxido nitroso e maior absorção líquida de metano no solo. O fluxo líquido de GEE (emissão ou consumo) decorre da interação entre manejo e condições ambientais nos cenários de plantação de banana. A época de aplicação do fertilizante, ou seja, a estação chuvosa, teve maior influência na dinâmica do fluxo e nas emissões anuais do que a composição do fertilizante.

Dado o efeito ambiental negativo das emissões de óxido nitroso, a redução das aplicações de nitrogênio e a adoção de práticas de conservação são fundamentais para a cultura da banana, principalmente em plantações jovens. 

Os pesquisadores lembram que práticas de conservação como manejo integrado, sistemas de cultivo consorciado e sistemas agroflorestais ajudam a melhorar a qualidade do solo Aumentar a eficiência do uso do nitrogênio e evitar condições favoráveis ​​à emissão de óxido nitroso também deve reduzir as perdas de nitrogênio gasoso para a atmosfera.

Uma vez que a uréia é a principal fonte de nitrogênio utilizada nas plantações de banana, a adição de urease e inibidores de nitrificação pode reduzir as emissões de óxido nitroso em 73% quando comparado ao uso de fertilizantes convencionais. Além disso, as condições ideais de cultivo do tipo de solo, textura, inclinação e posição na paisagem são fatores importantes a serem considerados.



SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR! COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS!

Envie sugestões de notícias para o WhatsApp do portal Itaporã News! 

Curta nossa Fan Page e fique por dentro de tudo que acontece em Itaporã, Região, Brasil e Mundo!

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real

Siga o Itaporã News no Youtube!

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE